Make your own free website on Tripod.com








title.jpg














Home | Registro na Rede Internacional de Jardins Botânicos | Banco de dados





dfront.jpg

bgci_logo.gif

Planejamento globalal

 

 

Apresentação e motivações:

 

O Jardim Botânico Neotropicum, em fase final de concepção e inicial de implantação foi fundado em 1998 pelo botânico Bruno Rezende Silva em sua propriedade, registrada na Prefeitura Municipal de Niterói sob número 081.357-6. Desde a fundação, Bruno Rezende Silva assumiu os cargos de Diretor executivo do projeto e Curador das coleções vivas. O Jardim Botânico Neotropicum está localizado na Serra da Tiririca, um importante remanescente de Mata Atlântica nos Municípios de Niterói e Maricá, Estado do Rio de Janeiro. A distância até a cidade do Rio de Janeiro é de aproximadamente 30 km. O endereco é: Jardim Botânico Neotropicum, Rua Dr. José Pereira Mouco, lote 52, Várzea das Moças, Niterói, RJ. CEP: 24330-300. O site do J.B.N. na internet pode ser acessado pelo endereço: http://brunorezende.tripod.com/NeotropicumBotanicalGardens

 

 

Objetivos:

 

O Jardim Botânico Neotropicum tem como objetivos contribuir para a conservacão da flora tropical, gerando e difundindo conhecimento  sobre a mesma, com ênfase na Mata Atlântica e demais ecossistemas Neotropicais.

O JBN é uma instituição sem fins lucrativos e  atinge os objetivos acima citados realizando:

 

·        Conservação ex-situ, ou seja, em cultivo, através do estabelecimento, manutenção e desenvolvimento  de uma coleção viva bem documentada de espécies vegetais.

 

·        Pesquisa científica através de laboratório, biblioteca e alojamento para cientistas e estudantes.

 

·        Difusão do conhecimento ecológico e botânico, pelos passeios informais, além de cursos e palestras apresentados na sala de aula ou entre a colecão viva.

 

 

 

Associações:

 

O Jardim Botânico Neotropicum é um membro da rede mundial de jardins botânicos (Fig. 2), centrada e administrada pela “Botanic Gardens Conservation International”, localizada em Kew, Inglaterra. Esta instituição tem como uma de suas principais metas a criação de novos jardins Botânicos, especialmente em áreas ameaçadas de alta biodiversidade (hotspots), tais como a Mata Atlântica. Maiores informações a respeito desta instituição podem ser obtidas pelo site: http://www.bgci.org.uk/

O J.B.N. trabalha em parceria com as ONGs ambientalistas “Protetores da Floresta” e “Conhecer para conservar”. A primeira conseguiu a implantação efetiva do Parque Estadual da Serra da Tiririca através de uma ação civil pública, entre diversos projetos ambientais desenvolvidos. A Segunda foi fundada por alunos de Biologia da UFRJ e já desenvolveu diversos projetos ambientais de sucesso, tais como a recuperação dos manguezais de parte da Ilha do Fundão. O J.B.N. poderá também se tornar o Jardim Botânico oficial do Parque Estadual da Serra da Tiririca.

As pesquisas botânicas são feitas em associação com o Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Departamento de Botânica da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Herbarium Bradeanum e o Jardim Botânico Marie Selby.

 

Custeio:

 

Desde a sua fundação, em 1998, procurou-se planejar financeiramente o JBN como uma instituição  sem fins lucrativos e auto-sustentável, podendo entretanto pleitear financiamento público ou privado, dentro ou fora do Brasil.

 Durante estes anos vem sendo implantados sistemas produtivos sustentáveis apoiados em técnicas alternativas de cultivo e de gerenciamento de todos os materiais utilizados no sítio, como a utilização de técnicas de permacultura. Soma das palavras agricultura e permanente, a Permacultura é a mais recente filosofia de agricultura alternativa. Foi formulada pelo biólogo, naturalista e professor australiano Bill Mollison no livro “Permaculture One” (Mollison, 1978). Esta técnica propõe a criação de sistemas integrados e autosustentáveis que produzam todos os materiais para suas necessidades e reciclem seu lixo. A proposta abrange arquitetura, jardinagem, agricultura, ecologia e técnicas de gerenciamento. O permacultor procura manter a diversidade de espécies dos ecossistemas em que trabalha, respeitando as distâncias naturais entre uma e outra planta e intercalando árvores frutíferas e para corte de madeira, verduras, legumes e outras. Neste contexto, procura-se utilizar fontes alternativas de energia (Neiva, 1987), reduzindo a poluição ambiental e os custos operacionais da instituição.

As seguintes atividades seguem tal planejamento e foram implantadas para garantir o bom funcionamento do sistema produtivo sustentável do JBN:

 

·        Plantação de coqueiros e outras palmeiras de forma a fornecer fibras para plantio e gerar receita pela venda de frutos e fibras. Nesta mesma linha, os estipes das palmáceas fornecem suporte para epífitas da coleção viva, suas frondosas folhas, a sombra necessária à sobrevivência.

 

·        Reciclagem de todo o lixo orgânico gerado através de composteiras logísticamente distribuídas pelas coleções vivas, produzindo húmus de minhoca, o qual é utilizado para adubar a coleção viva, sendo o excedente ensacado e vendido. Serpentinas de aquecimento de água colocadas dentro das composteiras produzem água quente, economizando energia.

 

·        Produção de camisetas, postais e posteres com o logotipo do JBN ou fotos de plantas da coleção viva, gerando receita e divulgando a instituição.

 

·        Realizaçäo de reuniões, eventos e festas com a finalidade de gerar receita para o JBN e concomitantemente divulgar a conscientização ecológica e a instituição através de “folders”.

 

 

 

 

Atividades já realizadas:

 

§         Uma rua foi construída para permitir o acesso à casa de visitantes.

§         Um lago de aproximadamente 400 m2 foi construído represando-se um riacho com uma barragem de terra sobre a qual passa a estrada.

§         A energia elétrica foi instalada.

§         O jardim já conta com uma coleção de 1020 espécies vivas, todas numeradas e registradas em um banco de dados informatizado.

§         Já foram produzidas cerca de 1000 mudas de árvores nativas da Mata Atlântica para serem usadas em projetos de reflorestamento, dentro do próprio Jardim Botânico  e em outras áreas ambientalmente degradadas.

 

 

O JBN inserido no papel conservacionista dos Jardins Botânicos:

 

Não basta parar a destruição das Florestas Tropicais em geral e da Mata Atlântica em particular, também é fundamental tentar recuperar o máximo do que já foi perdido através do reflorestamento. É exatamente neste ponto que devem agir os Jardins, possuindo em suas bem registradas coleções o maoir número possível de espécies, as quais podem ser reproduzidas e reintroduzidas em áreas devastadas. O estabelecimento e manutenção de coleções de plantas vivas aumenta consideravelmente as chances de conservação ex-situ de tais espécies (conservação fora do ambiente natural, ou seja, em cultivo), já que seus habitat naturais estão rapidamente desaparecendo. Sendo o objetivo realmente salvar tais espécies da extinção, uma abordagem sistemática e integrada deve ser seguida (Heywood, 1991):

 

1.      A coleta na natureza de diferentes espécimes de cada espécie para cultivo registrado, preferencialmente de diferentes áreas dentro da distribuição geográfica da espécie, de forma a obter uma amostra geneticamente representativa.

2.      A construção de um banco de dados informazado com cópia manuscrita para o registro de espécies em cultivo contendo a seguinte informação:

§         Número de cultivo para ser afixado ao espécime cultivado.

Tal número possui a acronímia “JBN” seguida de um número sequencial, sendo pintado na borda do vaso de concreto ou afixado ao suporte, caso a planta seja epífita.

§         Nome científico da espécie.

§         Determinador do nome científico e confiabilidade na determinação naquela data.

§         Local exato e altitude da coleta, preferencialmente marcados com um G.P.S..

§         Nomes de todos os coletores envolvidos e seus respectivos números de coleta.

§         Tipo de habitat onde foi coletada.

§         Períodos de florescimento na natureza e em cultivo.

§         Excicatas desta coleta em particular depositadas em herbários. As excicatas de plantas floridas em cultivo no JBN são depositadas no Herbário do Instituto de Pesquisas Jardin Botânico do Rio de Janeiro (RB), sendo em alguns casos, duplicatas depositadas nos herbários R, HB, CEPEC e SEL.

 

3. O intercâmbio dos bancos de dados de espécies entre os jardins botânicos, assim como espécimes vivos, sementes e material reprodutivo (polen), sempre de acordo com as diretrizes da Convenção de biodiversidade, no que tange acesso a recurso genético e compartilhamento de benefícios.

4. A coleta de sementes na natureza e sua estocagem em condições de dessecação e refrigeração, contribuindo para o banco de sementes do Laboratório de Sementes do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

5. Pesquisas em relação à germinação de sementes e à biologia reprodutiva das espécies, também realizado no Laboratório de Sementes do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

6. Pesquisa em relação aos requerimentos horticulturais das espécies, experimentando diversos tipos de substratos, regimes de luz e adubacão.

7. Propagação e multiplicação vegetativos, aumentando a swegurança em relação à sobrevivência daquele determinado clone.

8. Cultivo de material in-vitro, também realizado no Laboratório de Sementes do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

9. Acumulação de espécimes para reintrodução em áreas degradadas, possível devido ao sistema de cultivo oferecendo amplo espaço para a reprodução clonal do espécime.

10. tentativas e experimentos de reintrodução.

11. Monitoramento dos experimentos de reintrodução.

 

 

 
Referências bibliográficas:

 

BURLE-MARX, R. 1974. Heliconiae Novae Brasiliensis II. Bradea 1 (38): 379-382.

DAHLGREN, R.M.T. et al. 1985. The Families of the Monocotiledons. Berlin, Springer-Verlag, 519p.

GUEDES -BRUNI, R. R. & LIMA, M. P. M. 1996. Abordagem geográfica, fitofisionômica, florística e taxonômica da Reserva Ecológica de Macaé de Cima. In: Lima, M. P. M. & Guedes- Bruni, R. R. (rgs.). Reserva ecológica de Macaé de Cima, Nova Friburgo, RJ. Aspectos florísticos das espécies vasculares. vol. 1. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. p. 17-54.

MARQUES, M. C. M. (org.) 1997. Mapeamento da cobertura vegetal e listagem das espécies ocorrentes na -rea de Proteção Ambiental do Cairuçú, município de Parati, RJ. Instituto de Pesquisas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Série estudos e contribuições, número 13, 96p.

MELLO FILHO, L. E. 1975. O gênero Heliconia na Flora Fluminensis de Frei Mariano da Conceição Vellozo. Rev. Bras. Biol. 35 (2): 312-337.

__________________ 1976. Heliconiae Novae Brasiliensis III. Bradea 2 (15): 91- 94.

MELLO FILHO, L. E. & SANTOS, E. 1976. Heliconiae Novae Brasiliensis IV. Bradea 2 (16): 95-104.

_______________________________ 1977a. Novas considerações sobre o gênero Heliconia L. na flora Fluminense: comentários à margem da edição de J. M. Da Conceição Vellozo-Plantas Fluminenses. Bradea 2 (23): 159-164.

_______________________________ 1977b. Heliconiae Novae Brasiliensis V. Boletim do Museu Nacional num. 43: 1-8.

_______________________________ 1981. Heliconiae Novae Brasiliensis VI. Boletim do Museu Nacional num. 60: 1-11.

________________________________ 1983. Heliconiae Novae Brasiliensis VII. Bradea 3 (41): 370-372.

________________________________ 1987. Heliconiae Novae Brasiliensis VIII. Bradea 4 (44): 350-357.

HEYWOOD, V. H. 1991. Developing a strategy for Germplasm Conservation in Botanic Gardens. P. 11-23 , in: Tropical Botanic Gardens. Their Role in Conservation and and Development. (HEYWOOD, V. H. & JACKSON, P. S. W., org.). London, Academic Press Limited, 373p.

KRESS, W.J. 1990. The diversity and distribution of Heliconia (Heliconiaceae) in Brazil. Act. Bot. Bras. 4 (1): 159-168.

 

RIZZINI, C. T. 1976. Tratado de fitogeografia do Brasil, aspectos sociológicos e florísticos. São Paulo: Ed. Univ. São Paulo. 332p.

 

SANTOS, E. 1978. Revisão das espécies do gênero Heliconia L. (Musaceae s.l.) Espontâneas na região fluminense. Rodriguésia 30 (45): 99-221.

 

 

 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 































Enter supporting content here

Neotropicum Botanical Gardens




Enter secondary content here